NOTÍCIA

Benefícios da Terapia a Vácuo no tratamento de feridas

Benefícios da Terapia a Vácuo no tratamento de feridas

O tratamento de feridas é um processo bastante complexo e, em muitos casos, ainda considerado um desafio para a equipe de saúde, pois vários fatores, como a ativação, produção e inibição de inúmeros componentes moleculares e celulares estão envolvidos na reparação tecidual.

Dada a complexidade desta tarefa, existem hoje, no mercado, e disponíveis em alguns centros de tratamento de feridas, alguns curativos ou coberturas que promovem celeridade à recuperação do paciente, agindo como uma barreira contra micro-organismos e desenvolvendo outras funções que beneficiam o tratamento. Hoje, vamos conhecer um desses curativos: a terapia a vácuo (terapia por pressão negativa).

 O curativo

A terapia a vácuo é uma tecnologia não invasiva, indicada ao tratamento de feridas, que favorece a cicatrização.  A técnica é realizada por curativos de Terapia por Pressão Negativa (TPN), que utiliza uma espuma de poliuretano, ajustada ao tamanho e profundidade de lesão, e a cobre com um filme transparente permeável ao vapor e com aderência sobre a esponja, gerando uma vedação.

Conectado a um tubo aspirador que o liga a um aparelho eletrônico (bomba portátil), é aplicada sobre esse sistema uma pressão uma pressão sub-atmosférica entre 5 e 125 mmHg, igualmente distribuída sobre toda a ferida, o que vai beneficiar na junção das bordas da lesão, na redução do edema, na circulação local e, consequentemente, na cicatrização mais rápida da ferida, já que todos os fluídos que contribuíam para o crescimento de micro-organismos são aspirados, removidos.

Objetivos

Desde 1990, quando foi criada, a terapia a vácuo possui os mesmos objetivos, que se resumem sempre na mais rápida cicatrização de feridas e, consequentemente, desospitalização do paciente. Para isso, ela age nas seguintes particularidades:

·         Estimulando o crescimento do tecido de granulação, característico e indispensável no processo cicatricial

·         Atraindo as bordas da ferida uma à outra

·         Removendo exsudato e secreções da ferida (quando existem)

·         Aumentando o fluxo sanguíneo e, consequentemente, o transporte de oxigênio

·         Preparando o leito da lesão para o fechamento

Indicações

Como toda intervenção médica, a escolha para a melhor intervenção ao paciente vem sempre do especialista. Em casos de ferida, enfermeiros também estão aptos na melhor escolha de tratamento, e o uso ou não da terapia a vácuo vai depender sempre da avaliação da ferida, gravidade da lesão, origem e local acometido. Mas, alguns casos específicos são geralmente indicados ao uso desta tecnologia:

  • ·         enxertos de pele
  • ·         deiscência de sutura
  • ·         estase de linfa nos vasos e  linfedema
  • ·         úlcera por pressão
  • ·         atrofia muscular, hipotrofia e espasmos musculares
  • ·         queimaduras
  • ·         síndrome de Founier
  • ·         fasceíte necrotizante
  • ·         lipodistrofia
  • ·         feridas diabéticas, incluindo o pé diabético
  • ·         feridas traumáticas
  • ·         infecções
  • ·         úlceras tróficas
  • ·         distonia vascular

 

 

Em meio ao arsenal terapêutico disponível no atual contexto social, a terapia a vácuo tem sido considerada como uma das melhores formas de tratamento de feridas, reduzindo as trocas de curativos, custos com matérias desnecessários e diminuindo a dor. Mas é claro que além desta terapêutica, outras intervenções, como o uso de medicamentos, deve continuar fazendo parte da rotina de cuidados. E, atenção! Esta técnica deve ser feita somente por um profissional, já que seu mau manejo pode trazer complicações ainda maiores.

Procure seu médico ou clínica de confiança caso necessite do procedimento. Em nossas unidades, dispomos de um serviço altamente seguro, feito por profissionais competentes e com os melhores produtos disponíveis no mercado. Entre em contato conosco para mais informações.